quarta-feira, 18 de junho de 2008

o que aconteceu até aqui

Cheguei em 04 de outubro deixando um cargo público, um amor correspondido, família, os melhores amigos e uma megalópoli para ser garçonete no restaurante de uma pousada em Fernando de Noronha, ilha vulcânica à cerca de 400 Km de Natal, ponto mais próximo no continente.

Nada de mais, principalmente depois de concluir que ainda que eu tenha alcançado o objetivo almejado, outros muitos fatores influem negativamente (também pensei em dizer terrivelmente) na disposição para ficar muito tempo mais, e fazem desse paraíso lugar não tão aprazível.

Passei pelas duas fases já previstas (previsíveis?) de euforonha e neuronha e a conclusão é que "a ilha", essa entidade, é a grande culpada pelas misérias humanas locais; quero dizer, a maioria atribui à ilha um poder que, ao meu ver, somente elas mesmas teriam sobre si. Mas como bem conhecemos os mecanismos de sobrevivência e defesa humanos sabemos que somos totalmente capazes de tal façanha.

Senti que euforonha é a natureza: águas límpidas, animais curiosos e dóceis, sol e chuva, duplo arco-íris, vento no rosto, barulho de passarinhos, saber do mar e das marés, subir morros, pescar num platô de pedras vulcânicas, nadar com tartarugas e golfinhos, abrir o olho na água salgada e ver arraias, sardinhas e os peixes maiores que as perseguem, ver o pôr-do-sol escutando o barulho das ondas cuja bruma é verde como a água do mar, dormir na rede e acordar para um novo dia que promete as mesmas ou mais belezas.

Senti que neuronha é o desafio diário de conviver com a gritante diferença entre as pessoas, esse mesmo que todos enfrentamos em qualquer lugar. Vale dizer que num território tão pequeno, dividindo a maior parte do tempo com praticamente os mesmos indivíduos, as chances de esbarrar naquele espírito de porco que te atormenta são muito, muito maiores. As notícias costumam correr muito rápido e a importância dada aos assuntos mais insignificantes é megalomaníaca.

..

6 comentários:

Anônimo disse...

hum...que andas pensando e fazer, hein mocinha?
saudades minha amiga, saudades.
beijo grande.
Ana.

bar disse...

(mas eu vou sempre ser tendenciosa?) o qualquer coisa é sempre tão melhor que o nada..

Frida Ferida disse...

gostaria de maiores explanações sobre o termo "tendenciosa". o q mais?

de novo disse...

é, tendenciosa.
digo, essa coisa outra que semppre-quase me acomete, de empregar a fórmula "a vida é um sutiã, meta os peitos" de achar que qualquer que seja a coisa feita torna-se melhor do que o contrário de toda ação, a saber: o ócio, o próprio nada. de achar que o próprio lascar-se nop chão vale aquele instantinho da queda livre. deu pra semi-sacar, exp(l)anei?

:*

Arnoud disse...

Sua palavras descrevem bem minhas estada em Noronha.

Frida Ferida disse...

agradeço profundamente as explanações de b. tranquiliza-me saber q há alguém tão ou mais complicada que eu!!