quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Louça e cabeça limpas

Meu amigo não sabia do que eu estava falando quando disse que lavar louça é uma terapia. Tive que apelar para outra amiga que confirmou que fazia o mesmo, daí então ele se deu conta de que eu não estava mais chapada do que o necessário.

Passar aqueles minutos lavando copos e pratos é também uma chance de rever os acontecimentos do dia, e, se a pia estiver muito cheia, rever os pontos altos de toda uma vida. Mais do que recordar, pode-se concatenar idéias, tirar conclusões e ter valorosos insights. Há momentos criativos, inventivos, onde velhas histórias ganham novos finais e novas histórias ganham finais perfeitos. Como é doce enganar-se. Isso é coisa de mulher? Pensar? Enquanto faz tudo?



Já criei também algumas novas utilidades domésticas que preciso patentear. Será que estou passando dos limites?

4 comentários:

Mirafuegos disse...

num é coisa de mulher não...é coisa diloco!
Eu mesmo faço uso dessa, e o primeiro que soube que fazia isso era o Pedro Palavra, num momento difíicil.
O que tem de república que agradeceu o rapaz pela louça limpa num tá escrito...

!Bejo!

Sehr Hhumanus disse...

Então, digamos que esta prática terapeutica tem tb um papel social!!! Muito menos egoístico que a terapia individual!!!

Abaixo a louça suja e mais saúde mental para o povo!!!

Patr�cia disse...

kkkkk, lavar louça é assim mesmo, mas tem louça que dá trabalho e aí o pensamento se concentra em como limpar a porcaria! rs
beijo

Sra. K. disse...

Eu quase nunca lavo louça. Odeio. E não vejo nada de terapêutico nisso, mas invejo quem encara dessa forma. Prefiro cozinhar (mas tenho de estar inspirada), mas meu espírito alienado gosta de fazer isso ouvindo música, justamente pra não pensar em nada, só no som e nas fantasias histéricas da minha cabeça. Mas o povo aí da louça suja terapêutica será super bem vindo aqui em casa, tem louça pra todo mundo!