terça-feira, 16 de janeiro de 2007

Subterfúgios Corporativos

Pretendo com este post iniciar uma série - que pode se mostrar infindável - para revelar os pequenos e grandes truques de como tirar o corpo fora nos difíceis momentos vividos em nossas longas jornadas de trabalho.
É fato que passamos uma considerável parte de nossas vidas envolvidos com questões de trabalho e também é fato, não se pode negar, que estamos mais é querendo que tudo se exploda. Por isso mesmo, sempre que possível e até como mecanismo de defesa, damos nosso jeitinho para aliviar a pressão de certas inconveniências que permeiam o cotidiano laboral e, assim, todos saírem ganhando: seu chefe, satisfeito com seu desempenho; seu cliente, com o seu empenho; seu fornecedor, com sua fidelidade; e você, é claro, a salvo de qualquer crise de consciência, afinal, você, igual a todos, só estava pensando no seu próprio bem.
Para tanto, conto com a participação daqueles que por aqui passarem nesse que pode se tornar o grande Compêndio dos Subterfúgios Corporativos ou então Manual dos Subterfúgios Corporativos: como dar uma de joão-sem-braço e ainda sair por cima.
Poderia lançar idéias para alguns verbetes, tais como:

- Em cima da hora não é atrasado!
- Poder de síntese: relatórios de uma página.
- Histórico de visitas do Internet Explorer: um espião a seu favor.

Gostaria, porém, de deixá-los à vontade para compartilharem seus ricos conhecimentos com total liberdade e desprendimento. E rogo: Trabalhadores Assalariados, Uni-vos!, que no final tudo dá certo.

Abrindo a série:

- Ligações pedindo doação: com pesar e uma voz doce, diga antes mesmo que termine as apresentações, - Desculpe, mas eu trabalho em um PABX e preciso atender a outras ligações! Tchau! - para maior deleite, aguarde uns segundos na linha após a deixa para ouvir o ah! de decepção do outro lado da linha. E para aqueles que ficam com dó, não se esqueçam, o outro que vos fala não passa de um operador de telemarketing desfarçado de Madre Teresa.

4 comentários:

MetroArtist disse...

tchey was here
i don kno a single word here but i like the picture.

fran disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

fran disse...

Em saúde do trabalhador isso se chama estratégia de defesa individual ou coletiva, conceito criado por Dejours...adorei o post!

Existence Manquee disse...

adorei o post, adorei saber q tem link meu aqui e odeio trabalhar.

bjo